quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Origens da Família Oliveira em meu sobrenome- Família Drummond da Escócia

A geração das mulheres de minha família é rica em histórias, a começar pela ancestralidade de minha mãe. Meu avô materno Moacyr Garcia de Oliveira, era neto materno de Joaquim Felix Garcia, que era trisneto de Manoel d'Avila Machado e Isabel Maria, ela era neta de Felicio José Rodrigues, que era neto materno de Ana de Medeiros, ela era neta materna de Sebastião Pedro Fagundes Varella II, o primeiro personagem da história brasileira.
Nascido em 30 de outubro de 1678, em Candelária, RJ, Brasil, Residiu em Minas Gerais em tempo de solteiro, tendo sido casado  com dona Clara dos Anjos  irma de D. Maria dos Anjos, mulher de Caetano Pinto, teve três filhos. Assim, o batismo deve ser procurado no livro da Sé, e não da Candelária. 
Sebastiao Fagundes Varela erigiu a capela de São Sebastião,e seu concunhado Caetano Pinto de Castro a de São Caetano, que se converteram em matrizes das respectivas paroquias.
O Arraial de São Sebastião nos primeiros tempos chamava-se de Sebastiao Fagundes. Todas as capelas foram consagradas pelo Padre Gonçalves.”Ele era neto materno de Gracia da Costa e Capitão Francisco de Oliveira Vargas, ela era neta de João de Souza Pereira Botafogo e Maria da Luz Escórcio Drummond (História que será contada posteriormente).

Maria da Luz Escórcio Drummond era neta de Sir John Drummond V e Branca Afonso da Cunha.
Segundo consta no Armorial Lusitano, a família Drummond é originária da Escócia. 
João Drummond ou João Escórcio (John Drummond V) foi para a Ilha da Madeira e lá deixou descendência que se espalhou no reino português e suas colônias. 
Ao que parece casou duas vezes. A primeira com Catarina Vaz de Lordelo e a segunda com Branca Afonso. Seus descendentes apuraram que João Escórcio era filho segundo da Casa Drummond de Stobhall (Escócia), cuja varonia e primogenitura oriundas de Walter Drummond se conservaram até 1878, quando então morreu o sexto Conde Perth (último representante dessa linha). Os descendentes dessa Casa na Madeira, Açores e Brasil pretenderam se habilitar à herança da família, o que não conseguiram por falta de documentação comprovadamente autêntica. No entanto, o livro GENEALOGY OF THE MOST NOBLE AND ANCIENT HOUSE OF DRUMOND (Edimburgo-1831), publicou correspondências (1519, 1604, 1634) entre os membros descendentes de João Escórcio e da família Drummond de Stobhall, algumas em latim. O Arquivo Histórico da Madeira traduziu-as e publicou-as no seu volume III. Nessas cartas, aos parentes portugueses, os escoceses confirmam que um filho segundo do Lorde Drummond (irmão da rainha Arabela da Escócia) fora em 1420 para a França, atrás de glórias e honras e que dele nunca mais tiveram notícias. Como por essa época aportou na Ilha da Madeira um João Escórcio (apelido tirado da Escócia) que deixou na sua descendência o apelido Drummond, supõem-se ser o tal, filho da Casa Drummond de Stobhall.
Muitas são as histórias que cercam este homem e seus ancestrais, aos poucos contarei aqui estas histórias de cavaleiros e reis.


Fonte: http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/804797.html

http://martin.romano.org/ps04/ps04_351.htm









Nenhum comentário:

Postar um comentário